Profs

Mais de 500 quadros sindicais da FENPROF prepararam a luta deste início de ano lectivo

Mais de 500 delegados e dirigentes sindicais da FENPROF reuniram esta quarta-feira em Lisboa para fazer a análise e o ponto de situação negocial e preparar a reunião de dia 7 com o governo e a luta a desenvolver já desde o início deste ano lectivo.

Os participantes seguiram, depois, em desfile até à Praça do Comércio, junto ao Ministério das Finanças e à actual residência oficial do Primeiro-Ministro.

Aí foi votada uma Moção. Essa Moção aborda as principais questões da acção reivindicativa:  a intolerável tentativa de apagar tempo de serviço correspondente a trabalho realizado durante mais de nove anos, a manifesta insuficiência de investimento na Educação, a publicação tardia de novos quadros legais, a manutenção de situações geradores de grave instabilidade do corpo docente das escolas, más condições de trabalho e horários sobrecarregados, factores que estão na origem do enorme – e reconhecido – desgaste dos docentes.

A Moção aprovada, que foi discutida no Encontro que antecedeu a deslocação ao primeiro-ministro, foi ainda decidido "condenar o ataque desferido pelo ME contra a natureza das reuniões de conselho de turma de avaliação dos alunos, impondo uma verdadeira aberração pedagógica, ao aplicar as normas estabelecidas no Código de Procedimento Administrativo para efeitos de verificação do quórum". (...) "Uma decisão que descredibiliza quem enche a boca com pedagogia e que surge como reacção a um concreto momento de luta, com vista a condicionar a futura intervenção dos professores, face ao que o governo não resolve e ao que quer impor aos professores"

Na Moção, a fechar, pode ler-se, ainda:

"Em particular no que respeita ao processo negocial de recomposição da carreira, caso o governo insista em não contabilizar integralmente o tempo que foi cumprido pelos professores, os dirigentes e delegados sindicais presentes estarão disponíveis para assumir o esclarecimento, a mobilização e a dinamização da luta. Nela se inserem, desde já, a realização de plenários em todas escolas no início do ano lectivo, a realização de greves na primeira semana de Outubro e uma Manifestação Nacional em 5 de Outubro, Dia Mundial do Professor. Para além destas, entendem os presentes que, a manter-se a intransigência do governo, outras acções deverão ser desenvolvidas, mantendo, nas escolas, um estado permanente de mobilização e luta em defesa da legítima posição dos professores, até que esta posição seja respeitada!:

pdf Texto integral da Moção aprovada por unanimidade e aclamação

pdf Intervenção do Secretário-geral da FENPROF

001 thumb 002 thumb 003 thumb 004 thumb 005 thumb
006 thumb 007 thumb 008 thumb 009 thumb 010 thumb

 

Está em... Home Última Hora Mais de 500 quadros sindicais da FENPROF prepararam a luta deste início de ano lectivo