Este é um dos principais fatores do desgaste que afeta os profissionais docentes, pois, devido à forma como o Ministério da Educação tem imposto a organização do horário de trabalho dos professores, a sua duração disparou, calculando-se que, em média, este atinja as 46 horas semanais, bem acima das 35 fixadas em lei.

O despacho de OAL seria a oportunidade de corrigir esta situação, mas assim não quis, até agora, o Ministério da Educação tendo publicado um despacho de organização do próximo ano letivo (pdf Despacho Normativo n.º 10-B/2018) que, no essencial, mantém os problemas do que vigora.

pdf Ver Posição da FENPROF

Está em... Home Última Hora Despacho do OAL não repõe legalidade nos horários de trabalho