Como se sabe, nenhum docente de LGP é profissionalizado porque ainda não existe qualquer curso que o permita. Por esse motivo, só agora estes docentes irão adquirir a profissionalização, após a saída do despacho ministerial que fixará as condições e a consequente abertura dos cursos em instituições de ensino superior. Assim sendo, se o tempo de serviço cumprido pelos docentes de LGP antes da profissionalização não for considerado para futuro posicionamento na carreira, como pretende o Ministério da Educação, todo o tempo prestado, até hoje, por estes professores será, simplesmente, apagado. Para muitos, se isso acontecer, serão 15, 20 ou mais anos de serviço que será desprezado, passando o primeiro ano de serviço após o ingresso no quadro a ser considerado como o primeiro da vida profissional destes professores.

A FENPROF rejeita este “apagão do tempo de serviço”, principal razão pela qual requereu a negociação suplementar do diploma legal; como os professores de LGP também rejeitam esta enorme desconsideração pela sua vida profissional, admitem concentrar-se junto ao Ministério da Educação no dia em que se realizar a reunião.

Está em... Home Última Hora Criação do grupo de recrutamento de Língua Gestual Portuguesa