Fechar as escolas: para memória futura
Por António Carlos Cortez, professor, Escritor, vencedor do Prémio Literário António Gedeão FENPROF/SABSEG 2920

Não se pode, através do ecrã, com quebras na net, com ruído de fundo, com audição deficiente do que diz uma turma; não se pode, repito, falar em aprendizagem, nem em escola, nem em Universidade.

> ler artigo de opinião publicado no Público

Está em... Home Espaço Opinião Opinião: Fechar as escolas: para memória futura