Na Escola Públicas as crianças e os jovens não são negócio

por Ana Maria Betencourt

A prova de avaliação é uma perturbação inútil na vida das escolas e dos alunos. Considero a avaliação dos professores essencial  mas não  vejo que esta "prova" possa contribuir para selecionar os melhores e para a qualidade da educação! E poderá privar a educação de excelentes professores! Tenho conhecido, nos terrenos educativos, professores contratados muito bons,  avaliados regularmente, e que poderão ser excluídos em virtude de um momento menos feliz numa avaliação que é  pontual e ignora o trabalho de anos. [Ler texto completo...]


por António Nóvoa

A profissão de professor é de grande complexidade e exigência. Necessita de uma formação de nível superior e de uma avaliação rigorosa, no espaço da escola e num ambiente profissional. Mas esta Prova não resolve qualquer problema. Não serve para termos melhores professores nem melhor ensino. São outros os seus propósitos. Assim não.


por David Rodrigues

Esta avaliação é injusta e incorreta. Injusta porque despreza o valor da experiência profissional dos professores obtida em situações reais e incorreta porque só avalia uma parte ínfima das competências que lhes são exigidas; na verdade, não basta conhecer os movimentos de natação para saber nadar.


por Paulo Sucena

De uma mente ignara daquilo que à escola e à profissão docente diz respeito, do autor de escritos sobre educação pedagogicamente retrógrados e ideologicamente reaccionários compreende-se que exija a docentes profissionalizados a submissão a uma infundada prova que nada prova, condenada por vozes de todos os quadrantes. Mesmo para aqueles que consideram o ministro um ilustre académico, essa infundada exigência é incompreensível. Resta ao infausto governante uma saída: o regresso às origens após demissão que preludie a dos restantes peralvilhos que apostaram em destruir o país que a Constituição da República configura.


Examinar e punir
por Sérgio Niza

Como se poderá entender esta fúria examinatória, tão redundante e extemporânea, do Ministério de Educação e Ciência? [Ler texto completo...]


Educação, justiça e mercado
por Francisco Teixeira | Professor do ensino secundário, doutorado em Filosofia e especializado em Organizações Educativas e Administração Educacional

A educação é um bem social primário e uma condição essencial de justiça. E as condições essenciais de justiça não se podem jogar no mercado, por definição sobredeterminado pelo lucro. [Ler texto completo...]


A Escola Pública não está à venda, pois os seus alunos não são um negócio!
por Luís Lobo | Membro da Direcção do SPRC e do Secretariado Nacional da FENPROF, Coordenador do Departamento de Informação e Comunicação

A reacção à Grande Reportagem da TVI, da jornalista Ana Leal, com imagem de Gonçalo Prego e montagem de Miguel Freitas, é previsível, quer da parte dos visados, quer de muitos e muitos portugueses que, perante tais evidências, questionam a inércia das polícias e da justiça. Do governo e dos partidos da maioria não se espera qualquer iniciativa que ponha fim ou esclareça a situação e do PS, com alguns militantes a comerem à mesma mesa, a expectativa é mais do que muita, já que a aspiração de chegar ao governo obrigaria a um esclarecimento de posicionamento sobre esta matéria. [Ler texto completo...]

Está em... Home Espaço Opinião Na Escola Públicas as crianças e os jovens não são negócio